Blog

01
Out'18

O poder da própolis contra os sintomas do vírus da herpes

0 comentário(s) Própolis Verde
O poder da própolis contra os sintomas do vírus da herpes

O uso da própolis como tratamento terapêutico natural já data de mais de 5000 anos em muitas partes do mundo. Esse produto natural é constituído de várias substâncias resinosas, gomosas e balsâmicas, de consistência viscosa, recolhida pelas abelhas de brotos, cascas de árvores ou outros vegetais, misturadas as enzimas salivares e cera. Entre as várias atividades apresentadas pela própolis está a ação antiviral, em função da presença de um conjunto de substâncias denominadas de compostos flavonoides e derivados de ácidos aromáticos, assim como ação imunoestimuladora, hipotensiva, citostática e antiulcerativa (auxílio na cicatrização).

A atividade antiviral da própolis é uma ação importante não apenas no auxílio à prevenção das gripes e resfriados, mas também contra os sintomas de uma doença infecciosa aguda muito comum na humanidade: o herpes labial recorrente ou herpes simples. Infecções pelo vírus herpes simples foram documentadas inicialmente na Grécia Antiga e a palavra “herpes”, cujo significado é rastejar ou engatinhar em grego, foi utilizada por Hipócrates (“pai” da medicina) para descrever lesões que surgiam próximas umas das outras.

Os tipos mais comuns de vírus causadores do herpes labial recorrente são o Herpes Simples Vírus (HSV) tipos 1 e 2. O HSV é onipresente, afeta cerca de 70% da população mundial adulta, sendo que a maioria das pessoas adquirem o vírus após contato direto com fluidos corporais de indivíduos infectados. Ambos os tipos virais do herpes simples, HSV-1 e HSV-2, produzem lesões nas mucosas bucal e genital, sendo que na primeira  a maior parte da casuística é causada pelo HSV-1. Até o momento, nenhuma vacina tem apresentado sucesso em humanos para prevenir a infecção primária pelo Herpes Labial Recorrente e seu diagnóstico é basicamente clínico, em alguns casos, contudo, exames laboratoriais específicos podem ser indicados.

Foi avaliada a citotoxidade dos flavonoides constituintes da própolis sobre a virulência e duplicação do vírus da herpes e quando monocamadas de células foram infectadas com esse vírus e subsequentemente cultivadas em um meio contendo flavonoides, como crisina e canferol, houve uma redução da replicação intracelular do vírus dependente da concentração da droga. Isso significa que a própolis inibiu a proliferação desse tipo de vírus (ação antiviral). Outro estudo testou o efeito da própolis em forma de pomada contra a herpes labial, a qual se manifesta através de erupção de vesículas na região labial e perilabial, seguida da formação de  crostas que ocorrem em aproximadamente 1 a 2 dias, com reparação em 7 a 10 dias em pacientes com boa imunidade, sendo que o tempo de reparo em pacientes imunodeprimidos tende a ser maior.

Nesse estudo 73% perceberam uma cicatrização mais rápida com o uso da pomada de própolis, quando em comparação com os medicamentos que usavam anteriormente. Já 60% relataram que após o uso da pomada houve um aumento no tempo entre as recidivas (reincidência) e uma redução no tempo de cicatrização comparado ao uso do medicamento Aciclovir (agente antiviral da indústria farmacêutica).  Os resultados de um outro pesquisador Yildirim, et al (2016) utilizando própolis demonstraram que ela apresenta importantes efeitos antivirais comparados ao Aciclovir. Ele concluiu também que a associação da própolis com esse medicamento apresentou uma atividade anti-viral mais intensa contra o HSV-1 e o HSV-2 comparados somente com o Aciclovir.

É importante também destacar que essa doença costuma se manifestar em pessoas imunossuprimidos, ou seja, quando o sistema imune está com baixa imunidade e vulnerável as infecções, logo a própolis também colabora com a menor recorrência dos sintomas devido ao seu poder imunoestimulante, já que  ela é capaz de estimular nossos mecanismos naturais de proteção contra as doenças.

Enfim, as pesquisas demonstram que a ação antiviral da própolis no auxílio ao tratamento dos sintomas do herpes simples são promissoras. É importante frisar que nenhum tratamento deve ser iniciado ou interrompido sem o prévio conhecimento e autorização do seu médico de confiança.

Referências


1.       Variani, G.C.C.R; et al. Avaliação do efeito de pomada de própolis para tratamento de Herpes Labial Recorrente: um estudo piloto. Arq. Ciênc. Saúde UNIPAR, Umuarama, v. 21, n. 1, p. 13-18, jan./abr. 2017.

2.       Marcucci, M.C; Propriedades biológicas e terapêuticas dos constituintes químicos da própolis. Química Nova, 19(5) (1996). 

NEWSLETTER
Assine nossa newsletter e receba dicas e novidades!